Cantar a Pele de Lontra III


BIMBALHAM OS SINOS



Escrito por Claudio Daniel às 12h16
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CRÍTICA & POESIA EM JOÃO ALEXANDRE BARBOSA

 

Com seu estilo singular, Mário Faustino disse numa entrevista, em 1956, que um dos problemas que o poeta jovem enfrentava era “a péssima qualidade de quase toda a nossa crítica literária”, sobretudo quando essa se propunha a tratar de poesia. Realmente, se a análise for mais atenta, a maior parte da crítica literária brasileira, mesmo depois dessa reflexão contundente de Faustino, sempre ofereceu pouco espaço à poesia. Um dos críticos que mais a valorizou foi João Alexandre Barbosa, que nasceu em Recife em 1937 e morreu no dia 3 de agosto de 2006. Não só a valorizou, como parece ter cumprido, ao longo de sua obra, uma vocação ímpar para estudar poetas de qualidade, o que será investigado neste pequeno artigo em sua homenagem. Pode-se afirmar que ele foi um dos descobridores da poesia francesa moderna no Brasil. Seus estudos – poucos, mas raros – sobre Mallarmé, Baudelaire e Valéry são de extrema importância para os estudiosos desse campo. Mas antes desses poetas, e também por causa deles, o espaço que João Alexandre mais cultivou foi o da modernidade – e é nesse campo que seu método crítico tem especial importância. Principalmente seus livros A metáfora crítica e As ilusões da modernidade são essenciais para provar tal percurso.

 

 

(Leia o texto integral do ensaio de André Dick sobre João Alexandre Barbosa na próxima edição de da Zunái.) 



Escrito por Claudio Daniel às 14h57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Guillaume Apollinaire retratado por Vlaminck.



Escrito por Claudio Daniel às 21h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LAÇOS

 

Cordas feitas de gritos

 

Sons de sinos badalam pela Europa

Séculos suspensos

 

Trilhos ligando nações

Somos só dois homens ou três

Livres de todos os laços

Vamos de mãos dadas

 

Chuva violenta penteia a fumaça

Cordas

Cordas tecidas

Cabos submarinos

Torres de Babel transformadas em pontes

Aranhas-Pontífices

Todos os amantes que um só laço ligou

Outros laços mais tênues

Alvos raios de luz

Cordas e Concórdia

 

Escrevo só para celebrar vocês

Oh meus sentidos queridos

Inimigos da memória

Inimigos do desejo

 

Inimigos do pesar

Inimigos das lágrimas

Inimigos de tudo que amo agora  

 

 

Tradução: Rodrigo Garcia Lopes

 

 

(Leia mais poemas de Apollinaire na edição de dezembro da Zunái, dentro de poucos dias no ciberespaço...)



Escrito por Claudio Daniel às 21h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




QUAL É O PAPEL DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DA POESIA?

 

O jornal acabou. Não existe mais (“Who killed the newspapers?”, se perguntavam os editores do The Economist, em setembro). O que existe é um espectro do que era uma mídia bem resolvida há, talvez, trinta anos. Mas os empresários ainda não sabem o que fazer, já que o modelo de negócio ainda funciona, em parte, porque os leitores de jornais que sobreviveram (e ainda estão vivos) são os que decidem as grandes compras na família (carros, eletrodomésticos), e por isso a publicidade ainda vale alguma coisa nessa mídia. Se isso é bom ou ruim é outra história; mas, de novo, o fato é que a internet, que não é só uma mídia, mas uma esfera de convivência, é o meio que divulga poesia, hoje, em grande escala. Salvo discussões de inclusão digital e democracia virtual (problemas que vêm à reboque na internet), quem sabe procurar, acha. (...) Quem é que legitima um poema, que faz o poema existir? O leitor ou o papel? O leitor ou o livro?

 

(Do depoimento de Daniela Osvald Ramos, no link de Debates da próxima edição da  Zunái.) 



Escrito por Claudio Daniel às 19h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




AGUARDEM, NA ZUNÁI DE DEZEMBRO...

 

 

Paisagem antropofágica, de Tarsila.

 

 

VELUM

 

Lúcido pergaminho, pele argêntea, de prata

(bolsa d’água, placenta), nas raízes aéreas. A cera

e a polidez da pétala encoberta: brácteas

que se abrem (túnica) e desabrocham: filandras

e nervuras na placidez selvagem –  flor

e acontecimento que se desdobra em flor.

(Velâmens, em camadas, evoluem no ar.)

 

A gravidez sem peso dos pecíolos no limbo.

 

 

(Poema de Josely Vianna Baptista) 



Escrito por Claudio Daniel às 16h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ENQUANTO ISSO, EM GOTHAM CITY...

Calma, meninas, calma, a Zunái logo estará no ar...



Escrito por Claudio Daniel às 16h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



UOL
 
Histórico
Outros sites
  Cantar a Pele de Lontra II
  Cantar a Pele de Lontra I
  Claudio Daniel Home Page
  Zunái, Revista de Poesia e Debates
  Augusto de Campos
  Haroldo de Campos
  Paulo Leminski
  Arnaldo Antunes
  Frederico Barbosa
  Virna Teixeira
  Olokum (Poesia africana)
  Ademir Assunção
  Ricardo Aleixo
  Na Virada do Século, Poesia de Invenção no Brasil
  Figuras Metálicas
  Marcelino Freire
  Ana Maria Ramiro
  Adriana Zapparoli
  Ana Peluso
  Popbox
  Revista Mnemozine
  Officina do Pensamento
  Jornal de Poesia
  Revista Germina
  Revista Errática
  Algaravária
  Revista Critério
  Linaldo Guedes
  Caqui (site sobre haicai)
  Correio das artes
  Museu de Cabul
  Gerald Thomas
  José Kozer
  Maria Esther Maciel
  Regina Silveira
  Douglas Diegues
  Palavra de Pantera
  Azougue Editorial
  Paulo de Toledo
  Marcelo Sahea
  Rodrigo de Souza Leão
  Carta de Abu Ghraib
  O barco bêbado
  Dharmanet (site budista)
  Boddhisattva (site budista)
  Sociedade Taoísta do Brasil
  Templo Zulai (em Cotia)
  Espaço dos Satyros
  Nuno Júdice
  Uri Geller
  Nomuque
  León Plascencia (poeta mexicano)
  Aníbal Cristobo
  Rodrigo Garcia Lopes
  Rasuras (Ana Peluso)
  Abreu Paxe (entrevista)
  União dos Escritores Angolanos (UEA)
  O Casulo
  Thiago Ponce de Moraes
  César Moro (poeta peruano)
  Ruy Vasconcelos
  Daniela Ramos
  Tordesilhas
  Íntima loucura
  Douglas Diegues II
  Wilson Bueno
  Fernando Karl
  Cartunista Solda
  Confraria do Vento
  Andréa Delfuego
  Ricardo Aleixo II
  Vicente Pietroforte
  Sônia Alves Dias
  Fortuna (cantora)
  Donny Correia
  Claudia Roquette-Pinto (BLOG)
  Tatiana Fraga
  Claudia Roquette-Pinto (HOME PAGE)
  Dila Galvão
  Revista Psicanálise & Barroco
  Simpoesia 2008 (fotoblog)
  Simpoesia 2008 (site do evento)
  Ana Peluso II
Votação
  Dê uma nota para meu blog